Tag Archives: Hospital Escola Municipal

Conselho Universitário aprova doação do Hospital Escola à UFSCar e adesão à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares

O Conselho Universitário (ConsUni) da UFSCar, reunido na manhã desta sexta-feira (6/12), aprovou que a Universidade receba a doação do Hospital Escola de São Carlos, ficando responsável por sua gestão clínica e aderindo à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para que esta fique responsável pela gestão financeira e administrativa do Hospital.

A decisão é mais um passo importante no processo de federalização do Hospital Escola, iniciado em fevereiro deste ano, quando o ConsUni autorizou a Administração Superior da Universidade a iniciar as negociações para que a Universidade pudesse ficar responsável pela unidade hospitalar. No entanto, apenas em outubro a UFSCar obteve sucesso nos pedidos de audiência à Prefeitura Municipal de São Carlos que, no último dia 26 de novembro, anunciou sua concordância com a federalização e comprometeu-se a enviar a matéria para apreciação da Câmara dos Vereadores ainda em 2013.

“Quando aprovamos a criação do curso de Medicina na UFSCar, o fizemos com a condição da Universidade não ficar responsável pelo Hospital, pois sabíamos dos impactos que a manutenção de um hospital deste porte acarretaria ao orçamento da Instituição. No entanto, ao longo do tempo, fomos percebendo o quão fundamental é que a Universidade seja a responsável pela gestão clínica do hospital de ensino, para que ele possa de fato atender às necessidades de formação de profissionais da área da Saúde e, concomitantemente, às demandas da população de São Carlos e região por um atendimento de qualidade. Agora, com o modelo da Ebserh, que foi criada justamente para equacionar os problemas vividos pelos hospitais universitários de todo o Brasil, conseguimos ter essa situação finalmente equacionada: ficamos com a gestão clínica do Hospital sem que sua manutenção financeira fique a cargo da Universidade”, esclarece o Reitor da UFSCar, Targino de Araújo Filho.

Segundo o Reitor, já em janeiro de 2014 representantes da Ebserh estarão em São Carlos para, juntamente com a Universidade, a Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos e a Diretoria Regional de Saúde de Araraquara (que é responsável pelo Sistema Único de Saúde na região), definir as metas do Hospital Escola e, a partir disso, dimensionar a força de trabalho necessária. A previsão é que os primeiros concursos aconteçam em meados de 2014 e as contratações em janeiro de 2015, considerando o período eleitoral em 2014. “Todo esse processo compartilhado é necessário porque o Hospital Escola, diferentemente de outros hospitais universitários, atenderá única e exclusivamente pacientes do SUS. É muito importante que destaquemos esse modelo, pois é ele que efetivamente nos permitirá atender as necessidades da região, e não apenas os interesses da Universidade. Nossa expectativa é que, a partir dessa parceria iniciada com o equacionamento da questão do Hospital, possamos avançar também em relação a outros pontos envolvendo a Rede Escola de Cuidado à Saúde de São Carlos, que vai além do Hospital e é essencial à formação dos estudantes de todos os cursos da Saúde e, também, à concretização do compromisso que a Universidade assumiu com o município de São Carlos na área da Saúde”, complementou o Reitor.

Continue reading

Comentários desativados em Conselho Universitário aprova doação do Hospital Escola à UFSCar e adesão à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares

Filed under Saúde

Hospital Escola: Representante da Ebserh participa de audiência do Reitor da UFSCar com o Prefeito Municipal de São Carlos

Ontem, dia 31 de outubro, o Prefeito Municipal de São Carlos, Paulo Altomani, recebeu o Reitor da UFSCar, Targino de Araújo Filho, em nova audiência sobre a possibilidade de federalização do Hospital Escola de São Carlos. A reunião foi agendada para que a Diretora de Gestão de Pessoas da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Jeanne Liliane Marlene Machado, pudesse apresentar ao Prefeito e sua equipe o modelo de gestão de hospitais universitários por meio da Ebserh, conforme acordado em reunião anterior realizada na semana passada também no Gabinete do Prefeito. O Diretor Técnico do Hospital Escola, Sérgio Luiz Brasileiro Lopes, que é docente do Departamento de Medicina da UFSCar, também participou do encontro. Jeanne Machado já havia feito apresentação semelhante sobre a Ebserh, que é vinculada ao Ministério da Educação, ao Conselho Universitário da UFSCar, em reunião realizada em março deste ano.

“Foi uma reunião longa, de mais de três horas, e considero que foi bastante produtiva. Destacamos que, com a gestão pela Ebserh, o Hospital operará inteiramente no Sistema Único de Saúde, e que deverá haver uma contratualização entre a Prefeitura, a UFSCar, a Ebserh e a Diretoria Regional de Saúde de Araraquara para o estabelecimento de metas no âmbito do SUS, cujo gestor pleno é o poder público municipal. Todos os movimentos estão sendo realizados para que o Hospital possa, concomitantemente, atender a demanda da população de São Carlos e região por atendimento de qualidade e as necessidades formativas dos cursos de Saúde da Universidade”, afirmou o Reitor.

O Prefeito Paulo Altomani solicitou prazo de 10 dias para se manifestar sobre o assunto. As audiências na Prefeitura integram nova série de iniciativas visando equacionar as questões relacionadas à parceria entre a Universidade e o Município na manutenção da Rede Escola de Cuidado à Saúde. No último dia 24, o Reitor já havia participado também de reunião sobre o tema com vereadores do Município, na Câmara Municipal.

Comentários desativados em Hospital Escola: Representante da Ebserh participa de audiência do Reitor da UFSCar com o Prefeito Municipal de São Carlos

Filed under Gestão, Saúde

Conselho Universitário publica manifesto em defesa do Hospital Escola

Na última sexta-feira (28/6), em sua 198ª Reunião Ordinária, o Conselho Universitário da UFSCar (ConsUni) debateu a inserção dos cursos de Saúde da Universidade na rede municipal de Saúde de São Carlos. Na ocasião, o atual Diretor Técnico do Hospital Escola, Sérgio Luiz Brasileiro Lopes, que é docente do Departamento de Medicina, expôs o impasse em que se encontra o Hospital, devido à interrupção, por parte da Prefeitura Municipal de São Carlos (PMSC), do repasse dos recursos financeiros que cabem à Prefeitura. Lopes também apresentou o projeto originalmente concebido para o Hospital e os impactos deletérios que acarretaria a instalação de um Ambulatório Médico de Especialidades (AME) em suas dependências.

Frente a essa situação, o ConsUni deliberou pela publicação de manifesto em defesa do Hospital Escola e da Rede Escola de Cuidados à Saúde de São Carlos, a ser encaminhado ao poder público municipal, estadual e federal. A íntegra do documento pode ser conferida abaixo.

Outra providência tomada a partir das deliberações do ConsUni foi a realização, na tarde da própria sexta-feira, de uma coletiva de imprensa com o objetivo de buscar o esclarecimento da população acerca do projeto da UFSCar para a área da Saúde e da relevância do Hospital Escola nesse contexto. O vídeo com a íntegra da coletiva pode ser conferido aqui.

Também com o objetivo de compartilhar com toda a comunidade universitária o projeto do Hospital e o impasse no qual se encontra no momento, será realizada amanhã (2/7), às 12 horas, no Anfiteatro Bento Prado Júnior (área Norte do Campus São Carlos), nova apresentação do Diretor Técnico do Hospital Escola. O evento é aberto à participação de todos os interessados.

Universidade Federal de São Carlos

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MANIFESTO EM DEFESA DO HOSPITAL ESCOLA
E DA REDE ESCOLA DE CUIDADOS À SAÚDE DE SÃO CARLOS

O Conselho Universitário da Universidade Federal de São Carlos, em sua 198ª Reunião Ordinária, realizada em 28 de junho de 2013, considerando:

  • o projeto da UFSCar para a área da Saúde, caracterizado pelo compromisso com a formação de profissionais altamente capacitados e comprometidos com a Saúde Pública e com a qualificação do Sistema Único de Saúde (SUS);
  • que tal projeto ergue-se sobre pactos firmados entre a Universidade, o município de São Carlos e o Governo Federal e, consequentemente, sobre a constituição da Rede Escola de Cuidados à Saúde e a construção do Hospital Escola de São Carlos;
  • que, neste momento, o referido projeto encontra-se em grave risco, devido à recusa da Prefeitura Municipal de São Carlos ao diálogo; à iminência de paralisação das atividades do Hospital Escola frente à interrupção do repasse, por parte da Prefeitura, dos recursos financeiros previstos em contrato; e à insistência, também por parte do Governo Municipal, na instalação de um Ambulatório Médico de Especialidades (AME) no espaço previsto para as atividades do Hospital Escola;
  • e, finalmente, que a instalação do AME nas atuais dependências do Hospital significaria, concomitantemente, enorme desperdício de recursos públicos já investidos nessas edificações e a perda de um Hospital de alta complexidade e adequado à formação de profissionais nos cursos de Saúde da UFSCar, já que ficariam inviabilizados a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), o Centro Cirúrgico, o Centro de Diagnóstico Laboratorial e a Unidade de Anatomia Patológica previstos no projeto original do Hospital;

resolve manifestar-se em defesa intransigente do projeto original do Hospital Escola, solicitando, à Prefeitura Municipal de São Carlos:

  • a imediata regularização dos repasses financeiros ao Hospital Escola;
  • o imediato envio, ao Ministério da Saúde, da solicitação de ampliação dos recursos federais destinados à manutenção do Hospital, ampliação em relação à qual o Ministério já se manifestou favoravelmente;
  • o privilégio ao bom senso, ao espírito republicano e à responsabilidade para com a população do Município, da Região e do País, sobre quaisquer outras disputas e interesses menores, com instalação imediata do diálogo visando a federalização do Hospital Escola e o equacionamento da instalação do AME em área contígua ao Hospital, diálogo este a ser realizado a partir de debate fundado na avaliação técnica desses projetos.

O ConsUni dirige-se, neste momento, também aos governos Estadual e Federal, solicitando que:

  • o Governo Estadual, responsável pelo financiamento do AME, passe a integrar o debate público e os espaços de interlocução entre a UFSCar e o poder público municipal, com vistas à instalação do AME sem que isto signifique o abandono da possibilidade de um Hospital Escola de alta complexidade e alcance regional no município de São Carlos;
  • o Governo Federal, por meio de seus ministérios da Educação e da Saúde, parceiros da UFSCar na criação do curso de Medicina e, consequentemente, na construção do Hospital Escola (integralmente financiada com recursos federais) e na instalação da Rede Escola de Cuidados à Saúde de São Carlos, garanta a manutenção do Hospital Escola e da Rede Escola de Cuidados à Saúde de São Carlos tal como originalmente concebidos, manutenção esta que é condição sine qua non à contribuição da UFSCar à qualificação do SUS no Município, na Região e no País.

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho
Presidente do Conselho Universitário da Universidade Federal de São Carlos

Comentários desativados em Conselho Universitário publica manifesto em defesa do Hospital Escola

Filed under Conselhos, Notas da Reitoria, Saúde

Projeto da UFSCar para a área da Saúde está em risco

A decisão de criar o curso de Medicina na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), tomada pela comunidade universitária em 2005, significou a consolidação de um projeto institucional para toda a área da Saúde na Instituição. Tal projeto está pautado na formação de profissionais comprometidos com a Saúde Pública em nosso país e na qualificação do Sistema Único de Saúde (SUS), com consequente aprimoramento dos serviços oferecidos à população. Esse modelo está em consonância com os princípios do SUS – universalidade, equidade e integralidade – e com as diretrizes para a formação profissional em Saúde dos ministérios da Saúde e da Educação, tendo, inclusive, colocado a UFSCar em posição de destaque e referência na área.

Essa decisão por um projeto inovador, fundado na relação estreita entre a Universidade e o poder público municipal, trouxe inúmeros desafios e conquistas, como a consolidação da Rede Escola de Cuidados à Saúde de São Carlos e a instituição do Conselho de Parceria entre a Universidade e a Prefeitura Municipal de São Carlos, responsável pela formulação e acompanhamento da política de formação profissional e de cuidados em Saúde, pela integração das ações de ambos os parceiros e pela proposição de instrumentos legais voltados à institucionalização dessas políticas e à sua sedimentação enquanto políticas de Estado. No entanto, não obstante todos os esforços empreendidos e conquistas obtidas, este projeto encontra-se, atualmente, em risco, motivo pelo qual nos dirigimos neste momento à comunidade universitária, com o objetivo de compartilhar nossas preocupações e envolvê-la na defesa de uma política que é fruto de uma decisão coletiva desta comunidade.

Ainda em 2012, logo após a realização das eleições municipais, a Administração Superior da Universidade entrou em contato com o Prefeito eleito para apresentação deste projeto e início do diálogo visando sua continuidade. Apenas no mês de dezembro foi possível realizar uma primeira reunião, ocasião em que ouvimos haver total consonância entre a política defendida pela Universidade e as intenções do futuro governo municipal. No entanto, a partir de janeiro, inúmeras foram as dificuldades encontradas para que pudéssemos dar continuidade ao diálogo então iniciado, visando debater especialmente duas pautas: as atividades de preceptoria – ou seja, de acompanhamento dos estudantes do curso de Medicina – por parte dos médicos do Município e a possibilidade de transformar o Hospital Escola Municipal em um hospital efetivamente universitário, por meio de sua federalização.

Em relação à preceptoria, a dificuldade encontrada dizia respeito, inicialmente, à autorização do novo governo municipal para que os médicos, quando em atividade de preceptoria, reduzissem o número de consultas diárias de 12 para 8, como já acontecia no período anterior. Essa necessidade havia sido apresentada ao então Secretário Municipal de Saúde já no dia 9 de janeiro, visando permitir o equacionamento da questão até o dia 18 de fevereiro, data para a qual estava previsto o início das atividades dos estudantes na rede pública de Saúde do Município em 2013. No entanto, apesar de insistentes tentativas de contato por parte da Coordenação do Curso de Medicina e da Administração Superior da Universidade, apenas na segunda semana de fevereiro a Secretaria de Saúde voltou a receber representantes da UFSCar para apresentação da proposta de contrato de preceptoria. Após novo período de silêncio por parte do governo municipal, os estudantes de Medicina entraram em greve no dia 15 de março, frente à impossibilidade de realização das atividades previstas para os 1º, 2º, 3º e 4º anos nos equipamentos de Saúde do Município.

A pauta dos estudantes incluía alguns pontos internos à Universidade, aos quais foi dado pronto encaminhamento, envolvendo grandes esforços de toda a Administração Superior, da Diretoria do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da Chefia do Departamento de Medicina e da Coordenação do Curso de Medicina. No entanto, em relação à preceptoria, apenas nos dias 4 e 5 de abril a Secretaria de Saúde compareceu a audiências na Universidade – após realização de manifestação dos estudantes de Medicina em greve no Paço Municipal –, quando manifestou sua concordância com a redução no número de consultas, condicionando-a à aprovação de algumas matérias na Câmara Municipal e comprometendo-se a enviar as documentações necessárias à Câmara até a próxima sessão daquela casa, prevista para o dia 9 de abril. Mais uma vez seguiu-se um longo silêncio da Prefeitura Municipal, apesar de inúmeras solicitações de audiência por parte da Reitoria da UFSCar e, posteriormente, de comissão do Conselho Universitário nomeada com o objetivo de representar a Universidade em seu diálogo com a Prefeitura visando o equacionamento das questões referentes à área da Saúde. Apenas no dia 29 de abril os documentos foram finalmente enviados pela Prefeitura à Câmara Municipal (novamente após manifestações dos estudantes junto à Câmara, que levaram a Prefeitura a recebê-los em reunião que contou com a presença de vereadores), tendo sido apreciados e aprovados em sessões realizadas nos dias 30 de abril e 14 de maio. Desde então, a Universidade vem empreendendo todos os esforços possíveis junto aos médicos do Município – inclusive reunião na Sociedade Médica de São Carlos – visando atingir o número de preceptores necessários ao acompanhamento dos estudantes do curso de Medicina. Paralelamente, a Pró-Reitoria de Graduação, em diálogo com a Coordenação de Curso e a Chefia do Departamento de Medicina, conseguiu estabelecer um calendário alternativo que já permitiu a retomada das atividades dos 1º e 2º anos e, na próxima semana, dos 3º e 4º anos. Os 5º e 6º anos não interromperam as atividades de internato, que está sendo realizado no município de Piracicaba, uma vez que a Santa Casa de São Carlos apresentou à Universidade valores muito mais elevados que outros hospitais, o que tornaria sua contratação injustificável.

Paralelamente às ações relacionadas à viabilização das preceptorias, a Administração Superior da UFSCar também vem tentando, desde o final de fevereiro, iniciar diálogo com a Prefeitura Municipal com o objetivo de apresentar a proposta de federalização do Hospital Escola e de sua gestão pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) como alternativa tanto para a manutenção e financiamento do Hospital em seu funcionamento pleno quanto para que os estudantes dos cursos de Saúde da Universidade possam ter garantidos cenários de aprendizagem em São Carlos. No entanto, também neste caso as inúmeras solicitações de audiência enviadas ao Prefeito Municipal foram sumariamente ignoradas.

O primeiro passo da Administração Superior no que diz respeito à possibilidade de federalização do Hospital foi dado no dia 28 de fevereiro, quando o Conselho Universitário autorizou a Reitoria a empreender as negociações necessárias à deliberação sobre a transformação do Hospital Escola em hospital universitário. Imediatamente, a Administração Superior iniciou as tentativas de contato com os ministérios da Educação e da Saúde e com a Prefeitura Municipal, sendo que os órgãos do Governo Federal já indicaram o seu apoio à proposta. No entanto, sua efetivação depende da Prefeitura optar pela doação do Hospital à UFSCar. É importante informar que a consulta da Reitoria ao Conselho Universitário partiu da constatação, ao longo do processo de construção da Rede Escola de Cuidados à Saúde, da relevância da Universidade ser responsável pela gestão clínica do Hospital, bem como de manifestações favoráveis à federalização por parte da Direção do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde e do Conselho de Parceria, feitas ainda em 2012. Em janeiro deste ano, a Associação de Prefeitos da Região Central do Estado de São Paulo (Aprec) também publicou manifesto em defesa da federalização, resultante de reunião que contou com a participação de representantes da Prefeitura Municipal de São Carlos.

Porém, além de não responder às solicitações de audiência sobre o tema protocoladas pela Administração da Universidade, o Prefeito Municipal de São Carlos tem se manifestado publicamente como sendo contrário à federalização e, o que é mais grave, deixou de repassar à Sahudes (Sociedade de Apoio, Humanização e Desenvolvimento de Serviços de Saúde), organização responsável pela gestão do Hospital, os cerca de R$ 400 mil mensais que são, por contrato, responsabilidade da Prefeitura, o que resulta, até o momento, em uma dívida de mais de R$ 1,5 milhão. A Prefeitura alega estar condicionando o repasse à aprovação de contas do Hospital, o que não se justifica, uma vez que as contas já foram devidamente aprovadas por Comissão Municipal de Avaliação do Hospital Escola composta por representantes da Prefeitura, da Câmara de Vereadores, da própria Sahudes, do Conselho Municipal de Saúde e da sociedade civil. No dia 4 de junho, por intermédio do Deputado Federal Newton Lima, a Reitoria da UFSCar reuniu-se com o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que, informado da situação, se comprometeu a apreciar a possibilidade de ampliação do repasse financeiro que cabe ao Ministério dos atuais R$ 700 mil mensais para cerca de R$ 1,2 milhão. No entanto, tal medida depende de solicitação formal da Prefeitura, gestora plena do SUS em São Carlos, o que não aconteceu até o momento, apesar de novo ofício encaminhado pela Reitoria com informes sobre a reunião realizada.

Outro ponto a ser esclarecido diz respeito à intenção expressa pelo Prefeito Municipal de instalar um Ambulatório Médico de Especialidades (AME) nas atuais dependências do Hospital Escola. Inicialmente, tomamos ciência dessa intenção apenas pela imprensa. No dia 7 de junho, recebemos na Reitoria o Deputado Estadual Roberto Massafera, por solicitação do próprio Deputado, que veio acompanhado do Procurador Geral do município de São Carlos, Waldomiro Antônio Bueno de Oliveira, ocasião em que tal intenção nos foi oficialmente informada. No encontro, além de debater a possibilidade de federalização do Hospital Escola e de solicitar intervenção de Massafera e Oliveira junto ao Prefeito Municipal para equacionamento do impasse referente aos recursos financeiros devidos, pudemos, de um lado, expressar nosso apoio à instalação do AME no Município e, de outro, apresentar os argumentos técnicos que subsidiam nossa proposta de que seja instalado em espaço contíguo ao Hospital Escola, e não nas atuais dependências do Hospital. Tais argumentos estão relacionados ao fato de que o projeto do Hospital foi elaborado para que este possa, com a inauguração do seu segundo módulo, configurar-se enquanto centro de alta complexidade e, por isso mesmo, altamente resolutivo (já que, à unidade de pronto-atendimento, serão acrescidos UTI, centro cirúrgico, centro de diagnóstico laboratorial, unidade de anatomia patológica e enfermarias). A instalação do AME nas dependências do Hospital não só impedirá essa configuração, mas também ampliará a demanda por serviços de alta complexidade no Município, já que o AME destina-se justamente à realização de diagnósticos precisos com agilidade e ao encaminhamento dos casos que necessitarem cuidados adicionais à rede de Saúde do Município – que, neste momento, não consegue absorvê-los e, com o Hospital Escola em pleno funcionamento, teria mais do que dobrada a sua capacidade atual.

A consequência de toda a situação aqui relatada é que a Prefeitura Municipal está estrangulando financeiramente a gestão do Hospital Escola que, impossibilitado de pagar seus funcionários e, principalmente, de adquirir os insumos hospitalares essenciais à oferta de assistência aos usuários da unidade, deverá paralisar suas atividades nos próximos dias. Considerando a gravidade desse cenário – com impactos óbvios sobre o atendimento em Saúde prestado à população de São Carlos e, também, sobre a manutenção dos cursos de Saúde da UFSCar, especialmente o de Medicina –, será realizada nesta sexta-feira (28 de junho) reunião do Conselho Universitário que terá na pauta a discussão sobre os obstáculos colocados à continuidade da Rede Escola de Cuidados à Saúde de São Carlos e as possibilidades de encaminhamento no que diz respeito à defesa do projeto da Universidade para a área da Saúde. Outras instâncias em que a questão está colocada são o Conselho Administrativo da Sahudes, a Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores de São Carlos e o Conselho Municipal de Saúde. Esperamos, com essa mobilização, finalmente sensibilizar a Prefeitura Municipal de São Carlos sobre a relevância desta que é uma política de Estado que deve estar além de eventuais disputas partidárias e, com isso, poder garantir a continuidade não apenas do funcionamento do Hospital Escola, mas de toda a Rede Escola de Cuidados em Saúde que, reiteramos, encontra-se em risco extremo neste momento, demandando providências urgentes.

São Carlos, 24 de junho de 2013.

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho
Reitor da UFSCar

Comentários desativados em Projeto da UFSCar para a área da Saúde está em risco

Filed under Notas da Reitoria, Saúde

Nota da Reitoria da UFSCar: Novas ações voltadas ao equacionamento de questões afetas ao curso de Medicina

A Reitoria da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), ao ser informada sobre o término da greve dos estudantes do curso de Medicina da Instituição, vem a público prestar alguns esclarecimentos sobre as ações já realizadas e a continuidade dos esforços visando o equacionamento das questões relacionadas à inserção dos estudantes na rede pública de Saúde do município de São Carlos.
Primeiramente, é preciso afirmar que, diferentemente do que consta em documento divulgado pelos estudantes, o fechamento do curso de Medicina não está e jamais esteve em discussão. Todos os esforços têm sido empreendidos na direção contrária, visando garantir as condições para o bom funcionamento das atividades do curso de Medicina. Nesta semana, inclusive, a Administração Superior da UFSCar empreendeu duas novas ações fundamentais. Na terça-feira, dia 4 de junho, o Reitor Targino de Araújo Filho reuniu-se com o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em audiência solicitada pelo deputado federal Newton Lima. Da audiência resultaram dois encaminhamentos relacionados à gestão do Hospital Escola Municipal. O Ministro comprometeu-se, primeiramente, com a ampliação do repasse financeiro para gestão do Hospital, tão logo a Prefeitura Municipal de São Carlos, gestora plena do Sistema Único de Saúde (SUS) no Município, encaminhe a solicitação para apreciação do Ministério. Além disso, o Ministro informou que o Governo Federal tomará todas as medidas necessárias junto à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para que esta assuma a gestão do Hospital Escola, caso a Prefeitura Municipal decida pela doação do Hospital à UFSCar.
Na tarde de hoje, dia 7 de junho, o Reitor da UFSCar recebeu o deputado estadual Roberto Massafera e o Procurador Geral do município de São Carlos, Waldomiro Antônio Bueno de Oliveira. A audiência foi solicitada pelo Deputado, para discussão das possibilidades de parceria entre a Universidade e a Prefeitura em questões referentes ao Hospital Escola e à formação dos estudantes do curso de Medicina. Durante a reunião, foi debatida a federalização do Hospital Escola e a instalação do Ambulatório Médico de Especialidades. Foi encaminhado que, em breve, haverá nova reunião para continuidade do diálogo iniciado, avaliado como extremamente positivo e produtivo pelo Reitor. Nesta próxima ocasião, deverá ser feita a análise detalhada de questões técnicas e operacionais relativas a essas propostas. Por fim, o atual Diretor Técnico do Hospital Escola, Sérgio Luiz Brasileiro Lopes, também presente ao encontro, solicitou a intermediação do Deputado Massafera junto à Prefeitura Municipal no sentido de que o repasse financeiro devido ao Hospital seja realizado o mais brevemente possível, sob pena de, caso isto não aconteça, ser necessária a interrupção do atendimento.

Comentários desativados em Nota da Reitoria da UFSCar: Novas ações voltadas ao equacionamento de questões afetas ao curso de Medicina

Filed under Notas da Reitoria