CoPG anuncia Política de Ações Afirmativas, novo convênio de bolsas e autoavaliação

Reunião foi presidida pelo Pró-Reitor de Pós-Graduação, Rodrigo Constante Martins

O Conselho de Pós-Graduação (CoPG), na sua136ª Reunião Ordinária, anunciou novidades de extrema relevância para atuais e futuros pesquisadores da Universidade. A UFSCar acaba de elaborar diretrizes para a implementação Política de Ações Afirmativas nos processos seletivos dos Programas de Pós-Graduação stricto sensu, nos cursos de mestrado e doutorado para as modalidades acadêmico e profissional.


A resolução foi aprovada pelos CoPG e Conselho Universitário (ConsUni) e, agora, os programas têm até 18 meses para atender a política. Vale ressaltar, que alguns Programas de Pós-Graduação já trabalham há algum tempo com ações afirmativas em editais, como os da área de Sociologia, Educação – em São Carlos e Sorocaba, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, dentre outros.

Também foi informado durante a reunião que a UFSCar está prestes a firmar um convênio com a Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp) para destinar bolsas aos pós-graduandos. A expectativa é que neste primeiro ano sejam, pelo menos, de 120 a 200 bolsas nos mesmos valores das de Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) para pesquisadores da UFSCar que atuem como facilitadores nos cursos de graduação da Univesp. O contrato estabelece quatro horas semanais em atividades de monitoria e acompanhamento das turmas e outras oito horas dedicadas a Cursos de Formação de Docentes de Educação a Distância. A ideia é que essas bolsas possam ser utilizadas já a partir do segundo semestre deste ano, em agosto.

“Nós já recebemos uma minuta de proposta de convênio, mas estamos negociando essa minuta com a Reitoria da Univesp para tentar chegar em números que sejam adequados para as demandas da UFSCar. Isso depende do orçamento da Univesp. Desde que assumimos a Pró-Reitoria, um dos grandes desafios que nossa equipe de gestão tem enfrentado é o corte de bolsas. Por isso, em 2021, iniciamos vários diálogos e tentamos criar várias pontes para construir possibilidades de financiamento”, explicou o professor Rodrigo Constante Martins, Pró-Reitor de Pós-Graduação da UFSCar. Uma comissão será criada para desenvolver o processo seletivo destas bolsas. A proposta é que, no mínimo, 50% delas sejam destinadas a estudantes ingressantes por ações afirmativas. O convênio, que pode atingir até 600 bolsas concedidas, tem duração de três anos e pode ser renovado por igual período.

Dentre outros assuntos, também foi comunicada a formação de uma Comissão de Autoavaliação da Pós-Graduação da UFSCar. A Comissão terá como referência o Plano de Desenvolvimento Institucional da UFSCar e irá realizar uma primeira autoavaliação a partir de dados coletados no ano passado pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação (ProPG) e por meio de questionários que serão aplicados as coordenações dos programas de pós-graduação. Ainda há a possibilidade de questões serem destinadas para estudantes. Desde 2021, a Pró-Reitoria tem discutido com os integrantes do Conselho sobre a necessidade de uma avaliação institucional da área, que ainda pode servir como um importante parâmetro para que os programas realizem suas respectivas autoavaliações. Até então, apenas os próprios programas realizam autoavaliações, processo que deve seguir ocorrendo.

A Comissão é composta pela professora Eli Ângela Vitor Cozo, coordenadora multicampi da ProPG, pelo professor Alceu Gomes Alves Filho, docente do Departamento de Engenharia de Produção e especialista em planejamento estratégico, pela professora Fabiana de Oliveira, do Departamento de Sociologia e especialista em métodos quantitativos, pela professora Maria Silvia de Assis Moura, do Departamento de Estatística, pela professora Kellen Christina Leite, docente do Departamento de Ciências Humanas e Educação, e pelo técnico-administrativo Robson Lopes dos Santos.

Leave a Comment

Filed under Conselhos, Equidade, Pós-graduação

Comments are closed.