Atendimento qualificado e acolhimento são destaque na atuação da equipe de vigilância nos casos relacionados à Covid-19

Equipe realiza acompanhamento diário com as pessoas com Covid-19 (FreePik)

Para vencer a Covid-19, a UFSCar, dentre diversas estratégias, conta com uma vigilância epidemiológica ativa e participativa que utiliza como uma de suas ferramentas o aplicativo Guardiões da Saúde e o contato via e-mail, para que a comunidade universitária notifique em caso de sintoma de síndrome gripal, teste positivo para a Covi-19 ou contato com pessoas positivadas.

A partir dessa notificação, a equipe da vigilância epidemiológica, composta em sua maioria por profissionais do Departamento de Atenção à Saúde (DeAS) e do Departamento de Assuntos Comunitários e Estudantis (DeACE) que têm recebido capacitações constantes desde o início da pandemia, inicia um trabalho minucioso de acompanhamento individual da saúde física e mental da pessoa, com base em um fluxo de atendimento bastante estruturado. Somente em 2022, foram mais de 500 atendimentos realizados. Em momento de pico da pandemia, como no início do ano, cada pessoa da equipe chegou a monitorar cerca de dez pacientes diariamente.

Carla Roberta Sola de Paula Vieira, enfermeira do DeAS e integrante da equipe de vigilância, explica que, a partir do momento que a pessoa notifica pelo aplicativo que está com sintoma ou envia por e-mail, em caso de teste positivo ou contato com pessoa com Covid-19, a equipe recebe o chamado e realiza o cadastramento no sistema.

“Temos um sistema que consiste no monitoramento diário e que nos permite identificar as necessidade de saúde da pessoa para definirmos a melhor estratégia de atendimento, como quantas vezes precisamos fazer contato, e nos colocamos à disposição para que nos procurem em caso de mudança no estado de saúde, dúvidas ou apenas para um acolhimento mesmo, uma vez que saber que está com Covid-19 pode deixar a pessoa bastante aflita”, comenta.

A partir do contato diário com a pessoa, por mensagem de WhatsApp, e-mail, chamada telefônica ou de vídeo, a equipe avalia os sintomas e o desenvolvimento da patologia, orientando, quando necessário, a procurar o atendimento médico. “Com esse protocolo, conseguimos oferecer o melhor encaminhamento caso a caso, direcionando para o atendimento médico presencial somente as pessoas que realmente precisam, evitando assim a corrente de transmissão do vírus”, acrescenta a enfermeira.

Para que seja atingido o objetivo final da estratégia da vigilância epidemiológica da Universidade no enfrentamento da Covid-19, que é o controle interno da pandemia e o bloqueio da transmissão do vírus, é fundamental que a comunidade se responsabilize também por esse enfrentamento. “A comunidade contribui com a estratégia seguindo as orientações de biossegurança e notificando os casos positivos ou suspeitos pelo aplicativo ou pelo e-mail, assim que eles são identificados. A partir do momento que cada um segue a recomendação indicada, avançamos no controle da pandemia e, principalmente, podemos cuidar da saúde das pessoas em um momento tão delicado”, ressalta.

As pessoas da comunidade que já enfrentaram a Covid-19 sabem o quanto a estratégia e a responsabilidade compartilhada é importante e faz a diferença para superar a doença e o período de isolamento.

Gisele Bicaletto, jornalista da Coordenadoria de Comunicação Social (CCS) da UFSCar, conta como foi a experiência. “Assim que eu informei meu estado de saúde, recebi o primeiro contato da enfermeira Carla. Sinceramente, eu achava que seria um contato simples apenas para confirmar o diagnóstico e meu estado de saúde. No entanto, foi muito mais do que isso. Foi um trabalho muito próximo. Foram realizados, em média, dois ou três contatos diários para saber como eu e minha família estávamos. Eu precisei de atendimento médico e ela ficou comigo, pelo Whatsapp, praticamente todo o tempo, mesmo quando já era bem tarde da noite”, contou.

A jornalista definiu a orientação que recebeu sobre como proceder no período de isolamento com toda a família como diferenciada. “Ficar em isolamento não é fácil e, por segurança, foi recomendado também o isolamento, ao máximo, das crianças. A Carla me orientou sobretudo nessa logística, o que podia e não podia fazer. Cuidou com muita atenção de cada sintoma, de cada dúvida, sempre com respeito e acolhida mesmo. Foi mais que um suporte técnico, de cuidado, de assistência, teve um suporte emocional, de escuta e de apoio que foram fundamentais para nos manter tranquilos, amparados e fortes para passarmos pelo isolamento”, relatou a servidora técnico-administrativa.

O estudante de licenciatura em física Wesley Flávio Gueta conta como foi fundamental o suporte da equipe desde o primeiro contato após a notificação pelo aplicativo Guardiões da Saúde até o último dia do isolamento após a internação hospitalar.

“Eu estava muito preocupado em transmitir a Covid-19 para as pessoas que moram comigo, por isso, a gentileza e generosidade presente na comunicação da Marta foi fundamental para que conseguisse ficar calmo durante esse momento inicial. Por isso, o rastreamento e atendimento que eles realizaram com todos que entraram em contato comigo, nos dias anteriores ao resultado positivo, foi fundamental para que conseguisse ficar menos preocupado e focar em minha recuperação”, explicou.

A partir do acompanhamento diário, a equipe identificou o agravamento dos sintomas do estudante, orientando-o a procurar o atendimento médico presencial. “Minha oxigenação caiu e, como estava no período da doença em que pode haver o agravamento do caso, já recebi a orientação de procurar o atendimento, o que resultou na minha internação por quatro dias, para acompanhamento”, contou o estudante.

“Avalio de maneira muito positiva a atuação da equipe de vigilância e as ferramentas para a notificação, principalmente por existir um rastreamento e monitoramento das pessoas que entraram em contato comigo, o que é fundamental para diminuir o espalhamento. A partir da minha experiência, entendo que a vigilância ativa é fundamental para a realização das atividades presenciais”, acrescentou.

Como proceder em caso de sintoma de síndrome gripal ou contato com pessoas positivadas para a Covid-19
Pessoas com sintomas de síndrome gripal: Notificar o estado de saúde e os sintomas pelo aplicativo Guardiões da Saúde (GdS), disponível para download na loja de aplicativos do celular para Android e IOS, e pelo e-mail vigilanciaepidemiologica@ufscar.br, para que a equipe da vigilância epidemiológica faça o contato para orientar com relação à testagem e ao atendimento médico, se necessário.
Pessoas assintomáticas, mas que tiveram contato com pessoas que testaram positivo para a Covid-19: Informar a situação para a equipe da vigilância pelo e-mail vigilanciaepidemiologica@ufscar.br, para receber orientações quanto aos procedimentos necessários.

Leave a Comment

Filed under COVID-19, Saúde

Comments are closed.